AMBIENTE

Cidade brasileira bane agrotóxicos através de lei

Cultura&Realidade - 19 de Outubro de 2019

file-2019-10-19104555.847609-okc64d24fa-f276-11e9-9009-f23c917a2cda.jpg

A lei é de autoria do vereador Marcos José de Abreu, do PSOL - Foto: Ilustração

Mais do que uma melhoria, o controle no uso de agrotóxicos na produção agrícola, pecuária ou extrativista é uma necessidade urgente – para nossa saúde e a saúde do meio-ambiente. Na contramão da atual (e trágica) tendência federal de liberar ainda mais o uso de pesticidas e outros venenos na produção brasileira, através de uma lei já aprovada e sancionada, Florianópolis irá se tornar o primeiro município brasileiro “livre de agrotóxicos” – ou, em suma, na qual o armazenamento e aplicação de pesticidas de qualquer tipo passa a ser um crime passível de multa.

A lei prevê que os valores arrecadados pelas multas seja revertido para as pastas de Saúde e Meio Ambiente da cidade – e, além da nova lei, que seja criado um programa de educação sanitária ambiental para ensinar mais a respeito dos malefícios dos agrotóxicos para a saúde. Outro programa, para o desenvolvimento de hortas agroecológicas, também faz parte do projeto.

A lei é de autoria do vereador Marcos José de Abreu, do PSOL, que se elegeu como o segundo parlamentar mais votado da ilha tento a agroecologia como sua principal bandeira. “Durante toda tramitação a gente ia em cada vereador que pegava o projeto para dar o voto de relatoria. Sentava com ele, mostrava dados de análise de resíduos em alimentos e na água, apresentava estudos que correlacionavam o uso de alguns agrotóxicos com aumento de diversos tipos de câncer. Nossa principal base foi acreditar que o diálogo era possível”, disse o vereador.

Natural e tragicamente as entidades (e os parlamentares) ligados ao agronegócio ficaram furiosos com a aprovação unânime da lei – que foi transitada na câmara de forma mais silenciosa possível. A mudança em Florianópolis, no entanto, abre um precedente fundamental e incontornável para o resto do país – trata-se, afinal, de mudança inevitável, para que o lucro e o poderio do agronegócio deixe de literalmente envenenar a população: pesquisa recente mostrou que 34,5% dos alimentos somente em Santa Catarina apresentavam quantidades de agrotóxico acima do permitido pela legislação – e suportado pela nossa saúde.

Com conteúdo do hypeness