Bahia

Datafolha confirma: Bahia é o melhor estado turístico

Cultura&Realidade - 27 de Maio de 2019

file-2019-05-27155245.448194-Bahia-Dicas-Roteiro-de-Viagem-740x4312x9d60e5dc-80b0-11e9-9efe-f23c917a2cda.jpg

Foto: Divulgação

"Tudo, tudo na Bahia a gente querer bem", dizem os versos de uma canção de Caetano Veloso. O ilustre filho da terra não poderia ter sido mais preciso, haja vista o fluxo constante de turistas que visitam a região.

Segundo o Datafolha, o estado continua entre as primeiras opções de viagem dos paulistanos. Com aproximadamente 1.100 km de extensão litorânea e praias para todos os gostos –selvagens, urbanas, sombreadas por mata atlântica, repletas de piscinas naturais–, a Bahia é sempre uma boa pedida.

Ali a natureza não economizou beleza: que o diga quem já visitou a chapada Diamantina, uma das mais conhecidas formações geográficas desse tipo no país, que fica no coração do estado. São serras, rios e vegetação abundante a encher os olhos de quem busca o contato íntimo com a natureza.

A capital, Salvador, foi a única cidade brasileira indicada em 2019 como "lugar a conhecer" na aguardada lista publicada pelo jornal The New York Times. Gente do mundo todo quer conhecer esse pedaço do Brasil. Caetano tem mesmo razão: "A Bahia tem um jeito"...

SALVADOR

Está em transformação: da orla da Barra ao centro histórico, uma série de iniciativas vem repaginando a capital baiana. O bairro de Santo Antônio Além do Carmo, situado depois da subida da ladeira do Carmo, é um exemplo do que poderia ser feito em toda a região do Pelourinho. Ali, uma sucessão de casarões coloridos vai se desenhando e conduz o visitante num ambiente no qual o presente parece ter feito as pazes com o passado.

Charmosas pousadas e ateliês de arte dão movimento às ruas de pedra que guardam as lembranças de outros tempos. Não faltam simpáticos cafés e restaurantes, onde se pode comer apreciando uma vista panorâmica da baía de Todos-os-Santos.

No Pelourinho, uma das experiências mais ricas e emocionantes é assistir à missa sincrética na igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, cuja celebração é feita com instrumentos de origem africana.

Depois dela, o passeio pelas ruas de paralelepípedo em meio às fachadas coloniais coloridas ganha ainda mais graça.

Os olhos se enchem em meio à atmosfera histórica e à rica mistura de cores, sabores e raças tão cara à Bahia.

CHAPADA DIAMANTINA

A mais conhecida entre as chapadas brasileira, Diamantina fica no coração da Bahia. Uma jeito criativo de mergulhar em seus inúmeros encantos é fazer um dos inúmeros trajetos que cortam o vale do Pati.

Calcula-se que existam cerca de 35 trilhas, abertas desde o século 19 por garimpeiros, caçadores e tropeiros. O trekking no vale do Pati é considerado por guias tanto daqui como de fora como o mais belo do Brasil.

O terreno é bem diversificado. Sobe aqui, desce ali. Caminha-se sobre areia, terra e pedras, muitas e variadas.

Córregos, rios e corredeiras pipocam por todo canto. Bromélias, sempre-vivas, cactos e orquídeas vão colorindo o trajeto. Dona de uma flora riquíssima, a chapada fica em uma região de transição de biomas: abrange áreas de cerrado, caatinga, mata atlântica e campos rupestres. Entre um passo e outro, pausa para apreciar a sinfonia orquestrada pela queda da água e a cantoria de diferentes pássaros.

LITORAL NORTE

O estado esbanja diversidade por sua costa. A dica aqui é alugar um carro em Salvador e ir subindo em direção a Sergipe, parando onde lhe der na telha, até alcançar a praia repleta de dunas de Mangue Seco.

A parte mais conhecida desse trecho é a praia do Forte. Localizada a cerca de 50 km da capital, a praia é oferece boa estruturada, com oferta generosa de pousadas e resorts.

Com faixa de areia clara, alguns trechos rochosos e muitos coqueiros, a orla do Forte se estende por 14 km. Foi ali que nasceu o Projeto Tamar, que estuda e protege as tartarugas marinhas, animais ameaçados. Assim como o Forte, a praia vizinha, Imbassaí, pertence ao município de Mata de São João.

Imbassaí, porém, é mais tranquila, ainda preserva alguns trechos da exploração imobiliária nesse trecho da chamada Linha Verde, rodovia que liga o litoral norte da Bahia a Sergipe. Em tupi, Imbassaí quer dizer "caminho do rio". Boa definição dos índios, porque ali são muitas as passagens encontradas pela natureza para desembocar sua água doce no mar. Ela escorre em cascatas e corredeiras, paralelas às dunas.

A melhor opção de hospedagem é o gigantesco Grand Palladium Resort & Spa, que ainda conserva um clima de sossego tipicamente baiano.

LITORAL SUL

A região consegue ser mais rica na oferta e na diversidade de praias do que o lado norte. Quer agito? Mire para Porto Seguro. Cansou? Atravesse o rio de balsa e siga para Arraial d'Ajuda. Luxo? Trancoso vem na sequência. Se pretende mergulhar num clima de vilinha, a escolhe recai sobre Caraíva.

Agora, paraíso, mesmo, você encontra na Ponta do Corumbau, onde um corredor de areia, que pode se estender por mais de 1 km, separa o mar tipo Caribe de um lado do mar com ondas e o Monte Pascoal do outro. E olha que ainda tem as praias cobertas de vegetação de mata atlântica em Itacaré e as piscinas naturais de Taipu de Fora,localizada na península de Maraú.

COSTA DO CACAU

Em meio às tentativas de sobrevivência, as florestas de cacau continuam a manchar de verde as margens das rodovias que cortam esse trecho do sul baiano. Viajar pelas estradas da região de Ilhéus é passear por uma grande área circundada de mata atlântica.

A gente olha dos dois lados do caminho e parece mato puro. Mas o que aquela imensidão verde esconde é o "cacau cabruca", um sistema de plantio sob a sombra de espécies da mata como pau-brasil, jequitibá e jacarandá. "Cabruca" é uma corruptela de "cabrocar", ou seja, furar, retirar, abrir.

As árvores menores foram cortadas para o plantio, preservando as maiores, donas do sombreamento. Foi em Ilhéus que se deu, do fim do século 19 às primeiras décadas do século 20, o período de constituição da economia cacaueira. Agora, o cacau atravessa mais um ciclo; desta vez, voltado para o turismo e o mercado gourmet, com novos subprodutos.

Ali, nos arredores de Ilhéus, vale a pena passar pela pequenina e simpática Ibirataia, com pouco mais de 15 mil habitantes, onde fica o restaurante Espaço Beija-Flor, que mantém produção orgânica, criadouro de peixes e um menu elaborado com pratos da cozinha brasileira e internacional, sempre com a presença do ingrediente que deu fama à região.

Que ainda tem as praias cobertas de vegetação de mata atlântica em Itacaré e as piscinas naturais de Taipu de Fora, localizada na península de Maraú, dona de 50 km de litoral, na chamada Costa do Dendê.

Sim, a Bahia é um país!

Da redação, com informações do site Uol