Economia

De acordo com especialista da ONU, a pobreza se aprofunda nos EUA sob governo Trump

Cultura&Realidade - 08 de Agosto de 2019

file-2019-08-08081707.003120-ok20e8d93d0-b9ce-11e9-b6ac-f23c917a2cda.jpg

As políticas norte-americanas desde a guerra à pobreza - Foto:Ilustração

A pobreza nos Estados Unidos é ampla e tem se aprofundado sob o governo Trump, cujas políticas parecem estar destinadas a remover uma rede de proteção ao redor de milhões de pessoas empobrecidas ao mesmo tempo em que favorece os ricos, afirma um investigador de direitos humanos da ONU.

Philip Alston, relator especial da Organização das Nações Unidas sobre a pobreza extrema, pediu que as autoridades norte-americanas garantam proteção social e abordem problemas estruturais, em vez de "punir e aprisionar os pobres". O investigador de direitos humanos da ONU destacou cortes de benefícios como segurança social e saúde no governo Trump e disse que reforma tributária favoreceu os ricos

Enquanto benefícios de segurança social e o acesso à Saúde são cortados, a reforma tributária do presidente Donald Trump garantiu ganhos financeiros aos mega-ricos e grandes empresas, aumentando ainda mais a desigualdade, diz Alston em relatório.

As políticas norte-americanas desde a guerra à pobreza do presidente Lyndon Johnson nos anos 1960 têm sido "negligentes para dizer o mínimo", classifica Alston.

"Mas as políticas adotadas ao longo do último ano parecem ser deliberadamente desenvolvidas para remover proteções básicas dos mais pobres, punir aqueles que não estejam empregados e tornar até o acesso à saúde básica em um privilégio a ser conquistado, e não um direito inerente à cidadania", disse.

Quase 41 milhões de pessoas, ou 12,7% da população, vivem em situação de pobreza, enquanto 18,5 milhões estão em situação de extrema pobreza, sendo que crianças representam um em cada três membros dessas populações vulneráveis, segundo o especialista da ONU. Os Estados Unidos têm a maior taxa de pobreza entre jovens entre todos os países industrializados, acrescentou.

Da redação, com conteúdo do G1