Bahia

Dez cidades baianas decidem conjuntamente pelo cancelamento dos festejos juninos de 2020

Cultura&Realidade - 07 de Abril de 2020 (atualizado 07/Abr/2020 10h06)

file-2020-04-07084937.442306-sao_irecedb7c2e4a-78c5-11ea-9b89-f23c917a2cda.jpg

São João de Irecê, entre os dez que foram cancelados na Bahia, nesta terça-feira, 7 - Foto: Ilustração

 

Cultura&Realidade/João Gonçalves

Em função da Pandemia do Coronavírus, que aflige todos os municípios Brasileiros, numa decisão conjunta, dez cidades Baianas que realizam os maiores e mais tradicionais festejos juninos, resolveram cancelar o São João e o São Pedro deste ano. 

Após diversas reuniões virtuais nos últimos dias e troca de informações, os gestores optaram  por uma decisão coletiva, onde o combate à Pandemia foi priorizada. 

As cidades que decidiram cancelar os eventos são Amargosa, Cruz das Almas, Ibicuí, Irecê, Itaberaba, Miguel Calmon, Piritiba, Santo Antônio de Jesus, Seabra e Senhor do Bonfim. 

O que mais pesou na decisão dos gestores foi a informação do Ministro da Saúde, indicando fortes possibilidades de que o pico da infecção no Brasil, ocorra entre os meses de maio e junho. Outro fator que pesou bastante na decisão dos prefeitos, diz respeito às incertezas do mercado econômico para os próximos meses. A iniciativa visa também evitar  que comerciantes não venham a sofrer prejuízos ainda maiores, caso, de fato, a festa tivesse de ser, forçosamente, cancelada depois de investimentos realizados. 

Em mais dez municípios baianos, o coronavírus silencia a sanfona, o triangulo e zabumba - Foto: Ilustração

Diversos outros municípios já vinham tomando essa decisão, haja vista o agravamento da pandemia. O presidente da UPB, Eures Ribeiro, já vinha defendendo essa tese em função das dificuldades que os municípios já vinham enfrentando desde que o coronavírus entrou no Brasil.


De acordo com o documento publicado (veja abaixo), cada município irá editar seu decreto, onde, além de cancelar o São João e São Pedro, determina que todos e quaisquer eventos festivos, ficam suspensos até 31 de julho, com o objetivo de evitar aglomerações.