EDITORIAL

Estima-se que pelo menos 4 mil pessoas oriundas de locais infestados, estão na região de Irecê

Cultura&Realidade - 06 de Abril de 2020 (atualizado 09/Abr/2020 11h51)

file-2020-04-06174645.994574-irecebac8d802-7847-11ea-a930-f23c917a2cda.jpg

Irecê, principal polo comercial do seu território, de onde outros municípios balizam decisões importantes Ilustração

Considerando diversos manifestos, de que 10% da população poderá ser contaminada com o coronavírus/Covid 19, teria-se na região de Irecê, 50 mil afetados com o vírus. Se 10% destes, precisarem de hospitalização, seriam necessários 5.000 leitos. O Hospital Regional de Irecê é a única estrutura pública com UTIs em todo o território, e são apenas 10 leitos.  O Hospital AMI, particular, são 6 e o município tem 5 respiradores. 

 

Seabra/Palmeiras, Canarana, Utinga, Jacobina e Barra são municípios de regiões geograficamente interligadas com o território de Irecê, que já confirmaram casos positivos para o coronavírus. Em Utinga já se tem confirmado oficialmente um óbito, provocado pela doença. Foi um homem de 80 anos.

Mas não é só isso que tem preocupado as autoridades de saúde e gestores municipais da região. De acordo com registros de casos em monitoramento, apontados por todas as secretarias de saúde dos municípios da região, há significativa quantidade de pessoas que deixaram centros urbanos com elevado índice de infestação comunitária, - aquela que não se sabe como o paciente foi contaminado, ou seja, proliferação sem controle -, e buscaram refúgios mais perto dos familiares.

Destacam-se pessoas que deixaram São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e também de Salvador e Feira de Santana, que ao tomar conhecimento do recrudescimento no controle sanitário, com suspensão das atividades comerciais e de serviços educacionais e transportes de passageiros, bem como o fechamento de terminais rodoviários, prevendo as dificuldades socioeconômicas, anteciparam o retorno para seus lugares.

Como era de se esperar, muitos empreendimentos nestas localidades ficaram inviabilizados, sem condições de custeio de salários. Reforça-se a isso, o fato de que muitas pessoas saem do interior do País, com destino às grandes cidades, sonhando com emprego e renda, e lá, vivem de atividades informais, de bico, ou são donos de pequenos negócios nas ruas, os quais também foram impedidos de funcionar. Com isso, para a grande maioria, ficou impossível morar e se alimentar onde estavam, e migraram de volta para casa.

Estima-se que nos 20 municípios do Território de Irecê, somados, tenha-se aproximadamente 4 mil pessoas que deixaram seus sonhos e até o que tinham, retornando repentinamente para as suas comunidades.

Gentio do Ouro, Itaguaçu da Bahia, Ibipeba, Barra do Mendes, Lapão, Canarana, João Dourado, América Dourada, Central, Xique-Xique, Ibititá, Jussara, São Gabriel, Mulungu do Morro, Uibaí, Presidente Dutra, Irecê, Barro Alto, Cafarnaum e Ipupiara, todos registram filhos de regresso.

Em Canarana, uma mulher que veio em um ônibus da Entram, lotado de passageiros de Iraquara, Canarana, Barro Alto, Ibipeba e Irecê, teve seus testes confirmados para coronavírus.

Considerando ser a cidade de Irecê, o principal polo de negócios, o centro de abastecimento de todos os  municípios do território com quase 500 mil habitantes, tendo Irecê uma população flutuante média de 15 mil pessoas/dia, dá para imaginar o que pode ocorrer, se a prefeitura permitir o funcionamento indiscriminado de todas as atividades econômicas e suspender as barreiras sanitárias.

Considerando diversos manifestos, de que 10% da população poderá ser contaminada com o coronavírus/Covid 19, teria-se 50 mil afetados com o vírus. Se 10% destes, precisarem de hospitalização, seriam necessários 5.000 leitos. O Hospital Regional de Irecê é a única estrutura pública com UTIs em todo o território, e são apenas 10 leitos. O Hospital AMI tem 6 e o município tem 5 respiradores.

Diante deste cenário, compreende-se que as medidas de isolamento social são importantes para prevenir a proliferação célere e letal da doença, e que a manutenção do fechamento das atividades comerciais não essenciais é importante para otimizar esta estratégia, que foi a mais exitosa em todo o mundo, até aqui.  As perdas de ordem econômica são passíveis de superação, por maiores que sejam os prejuízos. Em vida, as pessoas podem restabelecer novos caminhos para o destino da humanidade e dos negócios, todos eles se readaptarão à nova ordem.

O risco à morte, não pode interessar a ninguém.