file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Economia

Garimpeiros se espalham por Sento Sé em busca de novos locais de exploração. Nem zona urbana é poupada.

07 de Julho de 2017 (atualizado 07/Jul/2017 15h38)

Garimpo na Serra do Quixabá, em Sento Sé/BA

Foto: garimpo em Sento Sé está avançando para além da Serra do Quixaba (Reprodução/TV São Francisco)

Redação Cultura&Realidade - Por Rodrigo de Castro Dias

A saga da descoberta e exploração de ametistas em Sento Sé, que em poucos meses atraiu milhares de pessoas ao município do norte baiano, tem assumido dimensões cada vez mais preocupantes para a população local.

A TV São Francisco, afiliada da Rede Globo com sede em Juazeiro, e a sucursal do portal G1 na Bahia veicularam reportagens nesta quinta-feira (6) sobre o avanço da exploração mineral em direção a sede do município, que se localiza às margens do rio São Francisco.

Os garimpeiros estão abrindo novos pontos de garimpo em diversos locais, alguns deles a menos de 1 km de distância da zona urbana de Sento Sé. Eles são movidos pela esperança de encontrar mais pedras semipreciosas.

De acordo com a reportagem do G1, a área de exploração mais próxima do centro da cidade já está sendo chamada de "Garimpo do Sete", onde 10 pessoas realizam escavações de forma rudimentar, a base de picaretas para furar o chão e baldes para retirar a terra.

"Jonatha Pires, de 22 anos, que está desempregado, ouviu de um amigo que a região de Sento Sé poderia esconder também turmalina, um tipo de pedra semipreciosa. "Meu sonho é comprar uma casa, comprar um carro, colocar dinheiro no banco", destaca, durante uma pausa do trabalho de escavação", conta a reportagem sobre o sonho que move muitos novos garimpeiros.

O avanço da exploração mineral em Sento Sé pode ter se intensificado com a decisão do DNPM (Departamento Nacional de Pesquisa Mineral) na Bahia de interditar a mina aberta na Serra do Quixabá, local onde foi feita a descoberta de ametistas no final de abril.

LEIA TAMBÉM: Garimpo de ametistas na Serra do Quixabá, em Sento Sé, é interditado

O DNPM, após visitas realizadas entre os meses de maio e junho, decidiu autuar e interditar parte do local no dia 29 de junho, por causa da precariedade de condições de trabalho e segurança no local.

O superintendente do órgão na Bahia, Raimundo Sobreira, afirmou na ocasião que caso a extração irregular continue no garimpo da Serra do Quixabá, o DNPM avaliará a possibilidade de evacuar totalmente a mina.

Surgimento da mina - A mina de ametista está localizada em terreno montanhoso, a cerca de 54 km do centro de Sento Sé, e não possui infraestrutura. Mas isso não tem preocupado garimpeiros de todo o país, que lotaram os hotéis e pousadas do município para tentar achar ametistas no local. O valor do aluguel de imóveis passou de R$ 400 para R$ 1.500, em média.

Desde que a mina foi encontrada, no final do mês de abril, pelo menos oito mil pessoas passaram pela cidade. Para chegar à jazida, é preciso seguir por mais 50 km em uma estrada de terra de difícil acesso, e caminhar por cerca de 3 km até o topo da Serra da Quixada, onde está localizada a jazida.

Por enquanto, no garimpo tudo é improvisado, desde o espaço de mineração às negociações. O preço do quilo varia de R$ 500 a R$ 3 mil reais.

A reportagem completa do portal G1 pode ser lida aqui.