CORONAVÍRUS

Irecê fecha as portas do comércio, põe barreiras sanitárias e a cidade fica quase deserta em plena segunda-feira

Cultura&Realidade - 23 de Março de 2020 (atualizado 23/Mar/2020 13h47)

file-2020-03-23133147.490615-centro_de_irece_hjeca61cc6c-6d23-11ea-b070-f23c917a2cda.jpg

Centro comercial de Irecê, às 11h desta segunda-feira, 23, após medidas de combate ao Coronavírus - Foto: João Gonçalves

 

Em plena segunda-feira, a cidade está praticamente deserta Como medida de proteger a população da celeridade da infestação do cornavírus/Covid19, o prefeito de Irecê Elmo Vaz, adotou as determinações das autoridades de saúde do Estado e do Ministério da Saúde, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde.

Diversas medidas restritivas foram adotadas pelo governo municipal, através dos decretos 104 e 105 deste ano e por último o 106m em substituição aos outros dois, que endureceu as medidas restritivas das relações sociais na comunidade, visando reduzir os contatos entre as pessoas, principal ponte de transmissão da doença. Inicialmente foram suspensas as aulas nos espaços públicos e privados de educação, depois, o funcionamento de bares, salões de beleza, clubes, equipamentos públicos como praças e quadras poliesportivas e consultórios dentários. Por fim, o fechamento do comércio, que começou pra valer neste final de semana.

A feira livre de Irecê desta segunda-feira, 23, funciona apenas para produtos destinados a alimentação. Exceto os empreendimentos que comercializam alimentos, medicamentos, combustível, bancos, prepostos bancários e casas lotéricas com normas de segurança sanitária, todos os demais estão impedidos, pelo decreto, de funcionarem até o dia 31 de março, quando a situação será avaliada, e o prazo mantido ou prorrogado.

CUMPRIMENTO DAS NORMAS MUNICIPAIS – Na tarde de domingo, 22 e manhã desta segunda-feira, os secretários de agricultura Cesar Damásio, de meio ambiente João Gonçalves e da Indústria e Comércio estiveram em campo, monitorando o cumprimento das normas. No mercadão, os feirantes, apesar da maioria não dispor de máscaras e luvas, organizaram as bancas com a margem de segurança estabelecido e o movimento foi muito pequeno. “Estamos vendendo alguma coisa, mas nem compensa ficar aqui. Muito longe do que a gente vende”, disse Fará Oliveira, que vende produtos da roça no mercadão.

Quase que a totalidade dos comerciantes e prestadores de serviços de Irecê cumpriu as normas. A cidade, em plena segunda-feira, está praticamente deserta. No centro comercial algumas empresas funcionam apenas administrativamente, sem atendimento aos clientes. Apenas cinco lojas foram flagradas em desobediência ao decreto. Seus registros foram encaminhados para a fiscalização tributária e sanitária do município. Bancos e casas lotéricas funcionaram normalmente, com as regras sanitárias: entrada controlada e filas externas com distância de 1,5 metros.

FECHAMENTO DAS ENTRADAS DA CIDADE – Temendo a entrada de feirantes de produtos não alimentícios para a feira livre, as autoridades sanitárias de Irecê, através do Comitê de Operações Especiais – COE, com apoio da Superintendência de Trânsito Municipal, Policia Militar, fechou todos os acessos da cidade, na madrugada desta segunda-feira. Todas as equipes da área de saúde, com reforço de servidores da educação e assistência social, mantêm pessoas em campo, fazendo monitoramento e testes, visando identificar casos suspeitos para a adoção das medidas protetivas para toda a população da cidade e da zona rural.

IRECÊ, SEM CASO POSITIVO PARA CORONAVÍRUS - Por enquanto, a cidade de Irecê se mantem sem caso confirmado. O último boletim da Secretaria de Saúde do Municípi aponta 9 suspeitos que foram examinados e negativados pelo Lacen – Laboratório de Análises de Saúde Pública do Estado da Bahia. Três casos estão sob investigação.

Fotos abaixo pela ordem: 1 - Casa Lotérica, 2 - Área de alimentação do Mercadão, 3 e 4 - Centro Comercial e 5 - Feira de alimentos de Mercadão - Fotos: Pedro Sodré e Cesinha