file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

ELEIÇÕES 2018

Luizinho Sobral restabelece direitos políticos e poderá ser puxador de votos da sua coligação

João Gonçalves - 19 de Setembro de 2018 (atualizado 19/Set/2018 15h02)

file-2018-09-19145752.636652-LUIZI87708dee-bc35-11e8-8738-f23c917a2cda.jpg

Amizade que vem de longe: Governador Rui Costa com Luizinho, em 2016, durante inauguração da Praça CEU em Irecê - Foto: Waldson Alves/Captada do Google

Com ousada campanha sendo realizada em diversas regiões da Bahia, o ex-prefeito de Irecê, Luizinho Sobral deu uma demonstração de força também no âmbito do judiciário baiano. No dia 23 de agosto ele perdeu seus direitos políticos à unanimidade dos Desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral, em processo movido pela coligação do também ex-prefeito Zé das Virgens, por crime de abuso no uso de meio de comunicação na campanha de prefeito em 2012.

Através de pedido de embargos declaratórios, Luizinho conseguiu liminar suspendendo os efeitos da sentença e manteve temporariamente os seus direitos políticos, logo, a sua candidatura. No último dia 17, no final da tarde, também por 7x0 (sete votos a zero), ele conseguiu reaver seus direitos políticos, a partir do deferimento da sua candidatura.

Com uma eleição tida como certa, ele caiu nas graças do governador Rui Costa e tem alianças com articulações do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, Ângelo Coronel, que também é candidato a Senador ao lado do atual governador, que concorre à reeleição.

Aliados de Luizinho apontam que ele terá votos suficientes para contribuir com a eleição de muitos da sua coligação e que, por isso, sua candidatrua é de total interesse da cúpula governamental do Estado.

Luizinho está concorrendo ao cargo de deputado estadual pelo Podemos, que está coligado partidos que apoiam Rui Costa. Dentre os candidatos da chapa proporcional "Força do trabalho pela Bahia", constam a peessebista Fabíola Mansur (apoiada pelo atual prefeito de Irecê Elmo Vaz), Zé Carlos da Cebola (PR), Jacó (PT) e Diego Coronel (PSD).