Cultura, Esporte e Lazer

“O Ouro de Muribeca”, o filme, uma produção de Uibaí, arrebata 1º lugar em concurso

Cultura&Realidade - 19 de Dezembro de 2018 (atualizado 21/Dez/2018 15h51)

file-2018-12-19165053.712371-ouro64dd869a-03c7-11e9-9991-f23c917a2cda.jpg

Cena do filme "O Ouro de Muribeca" - Foto: Divulgação

Por Gilberto Neiva

“O Ouro de Muribeca”, curta metragem produzido em Uibaí, a 37km de Irecê, é um filme de ficção baseado n’uma lenda regional, que tem, como pano de fundo, o ouro encantado. Produzido por um grupo de amigos, sem maiores pretensões, o filme surpreendeu e arrebatou  o 1º lugar em concurso realizado pela FENAE- Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal, classificando-se para a disputa nacional.

O filme, dirigido por Talles Lins, é baseado em um personagem que tem sonhos perturbadores, o Vadim (Fábio Machado), um pobre rapaz sertanejo que vai a busca de um “ouro encantado”. Com muitos desafios à sua frente, rituais da Caatinga lhe põem obstáculos que ele mesmo tentará quebrá-los. No filme, a dúvida se o pobre rapaz não vive em um mero devaneio, mas pra Vadim, tudo é muito real.

O diretor Talles Lins, celebrou a premiação:  “foi uma vitória surpreendente. O filme não foi feito por profissionais, somos amadores, ouvimos as lendas e resolvemos montar o curta. Apaixonado por fotografia, fui juntando com os amigos e achando cada responsável. Ator, diretor de música... Foi mais de dois anos de elaboração. Estamos realizados com a repercussão. Ficamos empolgados com o processo de produção do filme e seguimos em frente.”

Quem assiste o filme se encanta com as imagens, que mostram a Caatinga com um olhar diferente do que classicamente é popularizado. “Mostramos a nossa caatinga, único bioma exclusivamente brasileiro, jamais encontrado em outro lugar do planeta, com imagens da Serra Azul em Uibaí”, explica Talles.

A direção de arte foi feita pelo professor de arte, Charleandro Machado, que também comemorou a premiação. Ele ressaltou à reportagem que “a ideia surgiu quando eu e Talles estávamos vislumbrados com a fotografia. Foi um momento de aprendizagem, tanto participar como diretor de arte e também como ator. Vale salientar que toda essa produção foi colaborativa. Todos têm alguma contribuição em todas as partes. Foi um trabalho bem coletivo”, diz Charleandro.

Na ausência de estrutura adequada, a equipe buscou equipamentos e logística emprestados a diversos amigos. Outro desafio foi reunir os personagens envolvidos, uma vez que não se tinha recursos financeiros orçados para a execução da “ideia”. “Então foi um grande esforço para reunir a equipe. As férias acadêmicas e feriados foram nossos aliados, uma vez que o personagem principal estudava em Salvador”, detalha Charleandro.

O filme foi lançado em plataforma do Youtube, no Vale do Capão, dentro da programação do Cine Diamantina, realizado em junho deste ano, quando foi bastante elogiado pelos cinéfilos que participaram daquela amostra.

A expectativa agora é pela avaliação dos críticos que vão apreciar a produção na etapa nacional do festival. Nossa torcida para nossos professores-bancários-estudantes-atores-cineastas.

Ficha Técnica:

Direção: Thalles Lins
Assistente de direção: Celito Regmendes
Direção de arte: Charleandro Machado
Direção de cena: Pita Paiva e Fabio Machado
Direção de fotografia: Talles Lins
Som direto: Marlon Gomes
Montagem de trilha sonora: Talles Lins
Montagem e edição: Talles Lins
Roteiro: Celito Regmendes
ELENCO:
Cassia - como Floraci ,“A caipora”
Celito Regmendes - como Passante da Bicicleta
Charleandro Machado - como Inacio
Fabio Machado - como Vadim
Keli Carine - como “Tercina”, a moça da cachoeira
Pita Paiva - como Muribeca