file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Irecê e Região

Sindicato Rural de Irecê promove formação em derivados do leite: criadores vão transformar a matéria prima

19 de Junho de 2018

file-2018-06-19113833.241172-leite71144cfc-73ce-11e8-8738-f23c917a2cda.jpg

Produtores de Irecê desembarcam em Feira de Santana para formação em derivados do leite - Foto: Divulgação

Agricultores familiares participantes do Pró-Senar Leite em Irecê, estão hoje em Feira de Santana, onde ficam até quinta-feira, 21, para capacitação em derivados do leite. A programação é fruto de reivindicação dos criadores ao Sindicato dos Produtores Rurais da Região de Irecê – SINPRI, em parceria com a Prefeitura e o Centro de Formação do Senar, em Feira de Santana.

Neste curso de três dias, os criadores vão aprender sobre a produção dos derivados do leite, como queijos, requeijão, requeijão cremoso, iogurte, doces de leite pastoso e ambrosia e leite fermentado.

Há cerca de um ano os criadores que foram em caravana para Feira de Santana participam do curso sobre a produção do leite em Irecê, através do programa “Pró-Senar Leite”, promovido pelo Sindicato Rural de Irecê, via sistema Faeb/Senar, com conteúdos sobre manejo de solos, banco de proteínas, manejo de rebanho, produção do leite, mercado e gestão de negócios.

O presidente do Sindicato Rural de Irecê, João Gonçalves, informou que uma das principais metas da entidade é a formação, como meio de promover a autonomia dos agricultores e criadores. “Temos de ampliar as capacidades das unidades produtivas. Nossos produtores não podem ficar o tempo todo oferecendo apenas matéria prima. É preciso ganhar musculatura de saberes para transformar sua produção e assim agregar atributos na sua produção e aumentar sua capacidade de ganho”, disse.

“A nossa meta é fazer com que o criador deixe de ser apenas produtor da porteira pra dentro da sua propriedade, mas também transformador da sua realidade, tornando sua matéria prima em novos produtos e sabendo lidar com o mercado para além da porteira da sua propriedade”, salienta João Gonçalves.