file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Site "Metro1" aponta que mesmo preso na Papuda em Brasília, Geddel continua operando com ACM Neto

Cultura&Realidade - 09 de Janeiro de 2018 (atualizado 09/Jan/2018 13h45)

file-2018-01-09130544.412566-materia_metro1f29826be-f556-11e7-97a4-f23c917a2cda.jpg

Vista aérea da Orla de Salvador - Foto: Angelo Pontes/ Secom PMS, extrapida de Metro1

A Construtora NM LTDA ganhou conforme publicações no Diário Oficial do Município, nestas segunda e terça-feira (8 e 9), um contrato de aproximadamente R$ 26,2 milhões com a prefeitura de Salvador para obras de requalificação da infraestrutura turística da orla Barra-Ondina.

Embora haja duas publicações, a primeira no valor de R$ 26.238.551,38, e a segunda de R$ 26.230.059,06, em contato com o Metro1, a assessoria de imprensa da administração soteropolitana assegura que trata-se de um mesmo contrato.

O convênio foi assinado pelo chefe da Superintendência de Conservação de Obras Públicas (Sucop), Orlando Castro, aliado de primeira hora do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), que o indicou para o cargo ao prefeito ACM Neto (DEM).

A NM foi alvo da PF em 2016, no âmbito da Operação Copérnico. Em 2016, quando a apuração estava em curso, o filho de Martins, que é o dono do Instituto Médico Cardiológico da Bahia (IMCB), Nicolau Emanoel Marques Martins Júnior, foi preso, acusado de desviar verbas em contratos de cerca R$ 750 milhões com as prefeituras de Salvador, Candeias, São Francisco do Conde, Lauro de Freitas e Madre de Deus, entre 2012 e 2015.

O IMCB venceu licitação e prestava serviço a três Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do município: San Martin, Periperi e São Cristóvão. De acordo com a prefeitura, os esclarecimentos foram prestados ao Ministério Público Federal (MPF), que basicamente arguiu sobre os contratos firmados.

Em coletiva à imprensa na sede da PF, à época, os delegados responsáveis pela investigação negaram o envolvimento de gestores públicos ou irregularidades ligadas à administração municipal no caso.

Fonte: METRO1 - por Alexandre Galvão no dia 09 de Jan de 2018 • 09:41