file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

ELEIÇÕES 2018

Uma mulher vai disputar o Palácio de Ondina, contra Rui Costa e José Ronaldo, principais candidatos

João Gonçalves - 30 de Julho de 2018

file-2018-07-30113023.680276-celia1836fe2a-9405-11e8-be7f-f23c917a2cda.jpg

José Itamário e Célia Sacramento formam a chapa majoritária da Rede, na Bahia - Foto: Waldson Alves

Célia Sacramento é a candidata da Rede Sustentabilidade para disputar o cargo de governadora, contra as chapas só de homens do atual governador Rui Costa e do ex-prefeito de Feira de Santana, Zé Ronaldo, nas eleições gerais do próximo dia 7 de outubro. 
Em seu pronunciamento, Célia, que é professora universitária, mestre em Ciências Contábeis e Doutora no ramo da Engenharia da Produção, foi enfática em dizer que "só através da política é que vamos conseguir fazer as transformações, mas o problema é que quem está na política se preocupa mais com interesses pessoais do que com o interesse coletivo. Temos de um lado uma minoria com tudo e, de outro, uma maioria sem nada, totalmente excluída. Estamos falando da juventude, das pessoas com deficiência, das pessoas da terceira idade e, principalmente, das mulheres",
Negra, que cresceu no subúrbio ferroviário de Salvador, ela destacou ainda a problemática do alto déficit de moradia e as altas taxas de desemprego, alegando que isso é reflexo da falta de vontade política na definição de de investimentos em educação e saúde e de políticas públicas para a juventude. A candidata também ressaltou que é necessário programas especiais voltados para os agricultores familiares, responsáveis pelo alimento que chega nos centro urbanos.
"Só através da política é que vamos conseguir fazer as transformações”, enfatizou. “Mas o problema é que quem está na política se preocupa mais com interesses pessoais do que com o interesse coletivo. Temos de um lado uma minoria com tudo e, de outro, uma maioria sem nada, totalmente excluída. Estamos falando da juventude, das pessoas com deficiência, das pessoas da terceira idade e, principalmente, das mulheres", destacou.
"O grande problema da política é falta de gestão. A Rede propõe dialogar com todas as pessoas, não importa a religiosidade, a cor da pele. Precisamos focar no mais importante: o ser humano. Propomos uma política integrada, trabalhando diretamente com as pessoas. É política para atender aos interesses do coletivo", completou.


Principais propostas
Entre as propostas que apresentou durante o discurso, a candidata da Rede manifestou intenção de:
•    Implantar projetos que gerem emprego e renda;
•    Implantar políticas para desenvolvimento da região semiárida e da agricultura familiar;
•    Construir projetos que valorizem as mulheres, viabilizando maior participação delas na política e no mercado de trabalho;
•    Desenvolver políticas públicas para a juventude;
•    Implantar política pública de inclusão social e mobilidade;
•    Na área da educação, desenvolver política de valorização de professores e colocar assistentes sociais dentro das escolas;
•    Desenvolver ações para melhorar o acesso à saúde.


Resumo biográfico
Célia Sacramento nasceu em São Paulo, mas mora em Salvador desde os seis anos de idade. É mestre em controladoria e contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP) e doutora em engenharia de produção pela Universidade Federal Santa Catarina (UFSC).
Foi candidata a vice-presidente da República ao lado de Eduardo Jorge (PV), em 2014. Antes, em 2012, foi eleita vice-prefeita de Salvador na chapa com ACM Neto (DEM). Ela também já foi candidata a deputada Federal (2010) e a vereadora (2008). Em 2016, após sair do cargo de vice-prefeita da capital, disputou pela primeira vez o posto máximo do Palácio Thomé de Souza, mas não foi eleita.
Divorciada e mãe de dois filhos, Célia Sacramento é professora da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2013, foi eleita na sede da União das Nações Unidas (ONU) como vice-presidente da Aliança Global de Prefeitos e Líderes Africanos e Afrodescendentes (GAMAD). A instituição busca inclusão social por meio do empoderamento de mulheres e jovens.