Educação

Vida pós cangaço da combatente Dadá é tema de documentário da UNEB

Cultura&Realidade - 24 de Maio de 2019

file-2019-05-24164507.621982-download6f0588c4-7e5c-11e9-9efe-f23c917a2cda.jpg

Fotografia colorizada de Dadá e Corisco. Foto: Divulgação

A UNEB, por meio do Centro de Estudos Euclydes da Cunha (Ceec), lançou ontem (23) o documentário Assim Era Dadá: A vida pós cangaço de Sérgia da Silva Chagas – em sessão gratuita e aberta ao público – na Sala Walter da Silveira, localizada na Biblioteca Pública do Estado, nos Barris, em Salvador.

Com direção e roteiro de Manoel Neto, direção de fotografia de Lucas Viana e montagem de Ilo Alves, o documentário conta, em 50 minutos, a história de Sérgia da Silva Chagas, a Dadá, cangaceira e peculiar combatente.

“A presença de Dadá no cangaço foi singular. Efetivamente, foi a única mulher que participou de combate, muito embora todas  andassem armadas. Quando seu companheiro Corisco foi gravemente ferido e perdeu o movimento dos braços, ela colocou-se na linha de frente do grupo. Foi uma guerreira na precisão integral do termo”, destaca Manoel Neto, também coordenador do Ceec.

O documentário, cuja produção que teve início em 2016, foi construído com base em entrevistas e depoimentos de vizinhos, amigos e familiares de Dadá, além de intelectuais e pesquisadores estudiosos do tema.

Centro de Estudos Euclydes da Cunha – O Ceec foi criado com finalidade de promover estudos e pesquisas no semiárido baiano sobre movimentos sócio religiosos e sobre a cultura popular sertaneja em seus múltiplos aspectos.

É referência em pesquisa e produção audiovisual na UNEB. Entre as principais obras fílmicas do centro estão: Nova Redenção – A Terra do Poço Azul (2010), Feminino Cangaço (2013); Três Vezes Canudos: a biografia de Uma Cidade (2017); e Açude Cocorobó – Fragmentos de 50 anos de Memória (2019). Todas estão disponíveis no Canal do Ceec, no Youtube.

Da redação, com informações do site Interior da Bahia